sábado, 7 de julho de 2012

Do Avesso


Parece que a mesma força que o empurra pra fora é também a que tanto te prende aqui dentro.

Parece que todo o meu desejo de mata-lo é fonte daquilo que o mantem tão vivo.

Já não sinto mais a necessidade de renovar nossos encontros. Juro que viveria muito bem se só me restasse o nosso passado. Nada de novo, mas tudo tão fresco.

Acho que o tempo esqueceu da gente.

Você já deveria ter partido. É preciso dar espaço para outras coisas, mais recentes e, por isso, mais intensas.

Mas não.

Sempre ao contrário. O avesso do avesso do avesso do avesso.

2 comentários:

  1. Mais bonito que o (chato do) Caetano.

    ResponderExcluir
  2. é sempre assim quando alguma coisa acontece no coração.

    Lindo, amigan.

    ResponderExcluir